• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Ato Performático em defesa dos serviços públicos em Campo Grande

Iniciativa CUT-MS e do Fórum Permanente de Defesa dos Serviços Públicos, das Empresas Públicas e das Estatais em MS. Sindicalistas de Dourados também realizaram manifestação

Publicado: 30 Setembro, 2020 - 20h50

Escrito por: Sérgio Souza Júnior

Sérgio Souza Júnior
notice

Na manhã desta quarta-feira (30) foi realizado um ato performático, em defesa dos serviços públicos, em Campo Grande, no semáforo do cruzamento da Rua 14 de Julho com a Rua Barão do Rio Branco, no centro da cidade.

Nesta data também foram divulgadas peças para redes sociais, vídeos, além de divulgação em Painéis de Led em Campo Grande e Dourados.

Este grupo manifestou sua reprovação à Reforma Administrativa (PEC 32/20), denunciando através de uma performance graves interesses contidos neste projeto, entre eles, abrir a possibilidade de privatizar serviços essenciais como saúde e educação e precarizar os serviços públicos.

Através da performance, os manifestantes expressavam seu temor de perder serviços públicos como o SUS e logo depois aparecia um personagem em perna de pau, representando um malfeitor com faixa presidencial que trazia consigo a cultura, a manipulação da constituição e do direito à saúde.

Estas e outras cenas atraíram a atenção do público e foram o ponto de destaque na apresentação.

DivulgaçãoDivulgação

Os organizadores também convocaram o Fora Bolsonaro, reforçando a menção de que o governo Bolsonaro é o autor da PEC 32/20.

“Agradeço a todos e todas que vieram no ato, para manifestar sobre mais um ataque do governo contra os trabalhadores, demonstramos no ato que este governo é genocida, não tem valor pela vida das pessoas. Essas reformas do governo não geram empregos, geram só demissão, demissão e demissão, quem lucra com essa política são banqueiros e o agronegócio neste país” disse Vilson Gregório Presidente da CUT-MS.  

A iniciativa faz parte do Dia Nacional de Luta Contra a Reforma Administrativa, chamado pela CUT e as centrais sindicais, atos foram realizados em diversas cidades do país.

Para isso representantes sindicais deliberaram pela realização de um ato controlado, contendo medidas de proteção sanitárias em observância às orientações da OMS para proteção à COVID-19.

Sérgio Souza JúniorSérgio Souza Júnior

Para Adilson Nascimento, secretário de formação do SintsepMS “o ato controlado performático foi uma maneira criativa que a CUT e os sindicatos encontraram para denunciar à população que a Reforma Administrativa (PEC 32/20) não é para modernizar a administração pública, tampouco para cortar privilégios, é para piorar e privatizar os serviços públicos. Não é para melhorar o SUS, é para facilitar ampliar os lucros privados com serviços de saúde”, disse.

O ato foi a primeira atividade de uma luta permanente, organizada pelo Fórum Permanente de Defesa dos Serviços Públicos, das Empresas Públicas e das Estatais em MS, organização recém-criada, composta por dezenas de sindicatos e federações representativos das esferas municipal, estadual e federal.

Sérgio Souza JúniorSérgio Souza Júnior

Sérgio Souza JúniorSérgio Souza Júnior

Sérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza JúniorSérgio Souza Júnior